Como Pode?

Icon

Você já se fez essa pergunta hoje?

Como perder peso rapidamente

Vi esses dias que lutadores de MMA, para poderem “bater o peso”, ou seja, pesarem o máximo perdido em suas categorias, fazem o possível e o impossível. No dia da pesagem oficial, os caras entram em uma sauna, e literalmente derretem. Perdem água, suor, até secarem… e perdem quilos!

Evidentemente essa é uma forma drástica, trágica, e pouco recomendável para perder peso rapidamente. Mas sabe-se lá qual é o seu compromisso, então… mas saiba que existem outras formas para se perder peso rapidamente. Vamos a elas!

Uma das mais interessantes é a dieta da proteína. Nessa dieta, a pessoa pára de comer carboidratos (massas, pão, batata, etc), e passa a comer só proteínas. Carnes, ovos, presunto… nesse esquema diabólico, o corpo, não encontrando o que lhe dá a energia (normalmente os carboidratos), passa a queimar a gordura do corpo. E isso acontece rapidamente! Em dois ou três dias, o cara já começa a emagrecer!

Outra forma mais radical ainda são as cirurgias. Pelo que vi, existem vários tipos de cirurgia, como a redução do estômago, ou aquelas que literalmente chupam, aspiram a gordura do seu corpo. Nesses casos, recomendados para obesos mórbidos, a pessoa corre riso de perder a vida. São vários os casos de cirurgias mal sucedidas… é só pesquisar por aí.

Uma forma mais saudável, e que dá resultados, é cortar o refrigerante e a cerveja. As pessoas nem percebem, mas o refrigerante e a cervejinha são do mal, pois atraem outros alimentos que engordam, como salgadinhos, salaminhos, espetinhos… tentando cortar o mal pela raiz, dá pra se obter bons resultados.

Finalmente, a melhor forma para se perder peso rapidamente é… fazer exercícios físicos e ter uma dieta equilibrada, sem excessos.

Agora você deve estar se perguntando: como eu perdi meu tempo lendo tudo isso? Isso tudo eu já sabia!!

Realmente… não existem segredos para se perder peso. Só é gordo quem quer (exceto os doentes de verdade)!

Boa idéia de novo negócio: vender espetinhos

Vi uma vez num programa na TV, no Pequenas Empresas Grandes Negócios, uma franquia para venda de espetinhos. Sim, aqueles espetinhos de carne! Franquia!

Nunca tive um negócio próprio, mas confesso que vender espetinhos me seduziu. Verdadeiro fast-food nacional, não sei em sua cidade, mas na minha, tem espetinho pra todo lado. Basta um forno, ou uma churrasqueira meia-boca, e está pronto o seu ganha-pão.

Faço aqui as contas por baixo: um espetinho, de carne, dos mais baratinhos, custa aqui R$ 1,25. É um espeto normal, gostoso até. A carne que o cara usa eu não sei qual é… mas é bem macia e temperada. É o chamado mata-fome. Compro sempre uns 2 de uma vez…

Lá o cara racha de vender. Está sempre lotada a sua churrasqueira. No embalo, o cara já emenda umas cervejas… e pronto. Pequeno empresário hehe…

Lógico que ele está na informalidade… se bater uma vigilância sanitária, até os gatos congelados no freezer saem correndo. Mas pro público que ele visa atender, está de bom tamanho. Por baixo, ele deve tirar lá os seus R$ 100,00…

Um cidadão mais profissional da região aqui vende o espetinho a R$ 2,50. É um preço bom ainda… e o cara vende no próprio bar. Ou seja, já está regularizado, já tem o ponto, já tem uma clientela fixa… lá ele ser o espetinho no prato: tira as carnes do espeto e coloca no prato. Serve na mesa pro pessoal… ou deixa uma porção bem servida pro pessoal que joga o bilharzinho, o baralhinho…

Se ele não tira uns R$ 200,00 limpos com os espetos eu corto minhas bolas fora.

Mais inovador ainda é um cidadão que montou o rodízio de espetinhos. Por R$ 20,00 você come à vontade. Isso sem couvert, e tal. Some aí uns R$ 5,00 de bebida… e me diga se não é uma refeição completa por R$ 25,00? Eu aguento brincando uns 4 espetinhos… estourando, uns 6 espetinhos bem servidos… se o preço foi de R$ 2,50 cada um, 6 x R$ 2,50 = R$ 15,00. O cara ganha R$ 5,00… de mim, que come bem. E de quem come pouco!? Isso sem falar na margem de lucro, de fato.. já que um espetinho não deve custar mais de R$ 1,00 pra ele.

Confesso que só não abro uma casa de espetinhos porque não aguento com carne. Como demais, meu coração não iria aguentar. Colesterol iria disparar hehe… mas fica aí a dica! Negócio lucrativo!

Brinquedos infláveis para festas infantis

Se você algum dia precisar alugar brinquedos para uma festa infantil, saiba que os preços não são altos. Basta encontrar uma boa empresa de locação de brinquedos.

Geralmente, os brinquedos que vêm na cabeça em primeiro lugar são a cama-elástica e a piscina de bolinhas, tidos como clássicos em festinhas. Se você nunca viu, veja como eles são:

Cama elástica

Cama elástica

Piscina de bolinhas

Piscina de bolinhas

O aluguel desses brinquedos é muito barato. Normalmente, você aluga por evento, por festa. Como se fosse uma diária. É bom lembrar que algumas empresas alugam o brinquedo e mandam também um monitor, alguém que ficará responsável pela segurança das crianças no brinquedo. O preço fica em torno de R$ 150,00.

Outros brinquedos mais sofisticados também podem ser alugados. Por exemplo, você pode alugar um pula-pula, e um mini pula-pula, para as crianças menores. Ambos infláveis, são garantia de muita diversão.

Pula Pula

Pula Pula

Mini Pula Pula

Mini Pula Pula

Normalmente os brinquedos infláveis pedem algum tipo de instalação elétrica próxima que dê conta do recado. Isso normalmente é problema da empresa de locação. Eles levam um eletricista, ou os próprios funcionários já sabem o que fazer. Como os brinquedos infláveis precisam de uma bomba de ar que os encham, fique atento. Pense em um local adequado antes de procurar a empresa de brinquedos.

Existem muitos tipos de brinquedos e faixa de preço. Festas maiores, como festas de empresas, por exemplo, podem pedir um “Futebol de Sabão”, para várias pesssoas. Nesse brinquedos, várias pessoas jogam bola em uma pista molhada e ensaboada. Como é de se imaginar, o pessoal cai várias vezes… mas é bem divertido. Festas de adolescentes, de formatura, são garantia de muita diversão, principalmente se tiver uma piscina perto.

Futebol de Sabão

Futebol de Sabão

Se a festa for uma festa para arrecadar dinheiro, por exemplo, você pode tentar também alugar um brinquedo, e vender ingressos para quem quiser brincar. Se a festa tiver muita gente, você pode até ter algum lucro. Por exemplo, um brinquedo muito legal, e caro (você pode cobrar R$ 5,00 a R$ 10,00 tranquilamente) é a Bolona Gigante, ou Bolão Gigante. Nesse brinquedo, a pessoa entra dentro de uma bola inflável, e é atirada ladeira abaixo (no caso, uma rampa do próprio brinquedo). É diversão na certa!

Bolão Gigante

Bolão Gigante

Lembre-se: o sucesso de sua festa com esses brinquedos depende de uma boa empresa que alugue bons brinquedos. Uma boa empresa é a Tio Palito, do interior de São Paulo (http://www.tiopalito.com.br). Com clientes famosos, como empresas de grande porte, prefeituras, e até o Caldeirão do Huck, a empresa é uma das mais recomendadas. Procure referências, e entre em contato, se você tiver interesse em fazer uma festa bem legal.

Como trabalhar no Japão

Se você está procurando um emprego que pague melhor, que tal ir trabalhar no Japão?

Trabalhar no Japão, ou virar um dekassegui, ainda hoje é uma alternativa para os descendentes de japoneses. Com bons salários, são milhares de brasileiros que se arriscaram na Terra do Sol Nascente. Há quase 30 anos, mandando um volume considerável de dinheiro para os parentes que aqui ficaram, os dekasseguis são prova de que é possível ganhar bem fora do país.

No Japão, os empregos normalmente são nas fábricas. É o que se pode chamar de empregos “menores”, que os próprios japoneses não fazem muita questão. É o trabalho braçal, ou o trabalho repetitivo. Chão de fábrica mesmo. Mulheres também têm os chamados empregos em fábricas de alimentos (bentôs), que são mais lights.

Tais empregos costumam render bem pois oferecem as chamadas horas-extras. Horas-extras são o desejo dos dekasseguis, pois aumentam consideravelmente o salário.

Uma das formas de se ir trabalhar no Japão é procurando uma agência especializada em empregos no Japão. Existem muitas empresas no Brasil, principalmente na região de São Paulo e Paraná (maiores concentrações de descendentes). Você pode encontrar uma lista das melhores agências no site http://www.empregosnojapao.com

Quando se procura uma agência de emprego, fica mais fácil para ser alocado no Japão. Normalmente as agências têm bons contatos com as fábricas, o que já garante a alocação. É só viajar, com a certeza de emprego certo.

Tentar encontrar emprego no Japão por conta própria não é muito recomendado. A menos que você conheça alguém que já trabalhe por lá, ou que você saiba os atalhos para ser bem recebido numa fábrica, não é recomendado ir atrás dessa forma.

Falar o idioma japonês fluentemente nem sempre é necessário. Alguns empregos requerem uma certa porcentagem de fluência na língua. Em fábricas que têm muitos brasileiros, ou que um supervisor seja um brasileiro, você pode até trabalhar falando só o básico mesmo.

Uma das perguntas mais frequentes é sobre ser brasileiro, não ser descendente de japonês, e conseguir um emprego no Japão. Hoje em dia, é muito complicado conseguir ir pra lá sem ser descendente. Em outras épocas, o que se fazia era o seguinte: um homem brasileiro se casava com uma descendente de japoneses, por exemplo. Ambos poderiam ir para o Japão trabalhar, mesmo que o casamento fosse “de mentira”, “arrumado”. O brasileiro, no caso, pagava uma “mensalidade” à moça descendente de japoneses. Ela poderia voltar para o Brasil, por exemplo, e deixar o brasileiro lá.

O inverso também era comum. Mulheres brasileiras se casavam com homens descendentes… e faziam o “esquema”.

Muitas pessoas, que intermediavam esses “esquemas” de casamento, ganharam muito dinheiro. Mas como toda boa maracutaia, a casa caiu. Hoje em dia o casamento deve ser muito bem documentado, com história de vida, por exemplo, que comprove que o casamento é de verdade. Está mais difícil dar uma de esperto.

Se você está procurando um japonês ou uma japonesa para “casar” e ir para o Japão, saiba que ainda existem muitos dispostos a isso. É dinheiro fácil, pois a “mensalidade” deve ser paga direitinho… senão, com alguns poucos telefonemas, é fácil denunciar o esquema e tudo se complicar.

Pra você que é descendente de japonês (filhos e netos), ou que se casou de fato com descendentes, que tal ir para o Japão? Os salários estão altos (R$ 6.000,00 pra cima), o país é civilizado, a comunidade brasileira é grande, a assistência social é gratuita e funciona.

Como programar em PHP

Se você gosta de Internet e gosta de fazer sites, deve saber que o próximo passo depois de aprender a “subir” um site pronto (um blog no Blogger, por exemplo) é fazer o site desde o começo, do zero mesmo. Programar o site.

Sites nada mais são do que arquivos de computador inteligentes, que fazem o que mandamos. Não é só um arquivo de texto, com aquela sua historinha. É uma sequência de comandos, que são obedecidos pelo computador onde ele está gravado, e que faz tudo aquilo que você mandar. É o chamado algoritmo, em linguagem de computação.

Um algoritmo é lido pelo computador, o chamado servidor. No servidor, todos os comandos são lidos e obedecidos. Por exemplo, seu algoritmo pode mandar exibir uma imagem, e logo embaixo colocar um texto em itálico. Seu algoritmo, seu programa para mostrar o site, obedece e faz o que você manda.

A forma como o nosso computador exibe o algoritmo é baseado na linguagem HTML. É através do HTML que nossos navegadores (Internet Explorer, Firefox, Chrome) mostram as imagens, os textos. No nosso computador, as ordens já foram obedecidas, então temos apenas o resultado final na tela. O servidor, lá onde a página está hospedada, é que obedeceu o que o algoritmo mandava.

Um exemplo de algoritmo pode ser visto abaixo:

Abrir página da Internet
Buscar Imagem de um Jogo de Futebol nos arquivos
Exibir a Imagem de um Jogo de Futebol
Exibir um texto em itálico sobre a Imagem de um Jogo de Futebol
Terminar de exibir página da Internet

Perceba que, no servidor, a página da Internet é carregada de acordo com o que o algoritmo manda. Isso é feito porque o servidor, um computador bastante robusto, entende as ordens que são escritas em uma linguagem de programação. Entendendo a linguagem de programação, ele imprime a página.

A página que chega nos nossos computadores vem em um arquivo texto codificado em HTML. O arquivo, a grosso modo, é como aparece logo abaixo:

< HTML >
< IMG SRC=foto_jogo_de_futebol.jpg >
< i >Um jogo de futebol tem dois tempos de 45 minutos< /i>
< /HTML >

Repare que o algoritmo que mostramos anteriormente e a página HTML são parecidas. As letras HTML, as TAGS, definem a forma como a página é exibida. No caso acima, HTML abre a página, IMG exibe foto, e “i” minúsculo manda escrever em itálico.

E eis que a página com a imagem sobre futebol e texto em itálico aparece na nossa tela.

Evidentemente, o servidor, o computador robusto do outro lado, não entende as ordens “Abrir página da Internet” ou “Buscar Imagem de um Jogo de Futebol nos arquivos”. Ele ainda não é tão inteligente a ponto de entender nossas ordens em português. Por isso, o servidor utiliza uma linguagem intermediária, chamada de PHP. É através do PHP que o algoritmo é transformado em HTML.

PHP é uma das milhares de linguagens de programação existentes por aí. Você já deve ter ouvido falar de Java, C, Python. São linguagens de programação. No nosso caso, utilizamos o PHP, por n motivos. Mas você pode escolher a linguagem que você quiser.

Aprender uma linguagem de programação não é fácil. É como aprender um novo idioma. Mas, mais difícil do que aprender uma linguagem de programação, é aprender a programar. Saber programar, ou saber a fazer algoritmos, é o que diferencia os programadores uns dos outros. Bons programadores aprendem os detalhes da linguagem, e pronto. Maus programadores, além de não saberem programar, ainda tem que aprender os detalher da linguagem. Trabalho nada fácil.

Um programa em PHP dá ordens para o servidor. Um exemplo de página escrita em PHP pode ser vista abaixo:

< HTML >
“;
}
echo “< i >Um jogo de futebol tem dois tempos de 45 minutos< /i >“;
?>
< /HTML >

Perceba que a página HTML está meio embutida no programa em PHP. Isso porque o PHP dá as ordens para criar a página em HTML. O PHP, na verdade, faz tudo o que o HTML não faria. No caso acima, ele busca uma imagem de futebol em um banco de dados e manda exibir. Isso o HTML não faz.

Repare que o PHP utiliza vários recursos para auxiliar na criação da página HTML. Precisamos de um banco de dados para procurar imagens. Isso é feito através do MYSQL, um banco de dados que armazena dados. No caso, imagens_futebol. PHP pede ao banco de dados que retorne informações sobre determinada imagem:

SELECT * FROM imagens_futebol WHERE 1

Acima está escrito, em linguagem de banco de dados (uma outra linguagem), para “selecionar todos os dados do banco de dados imagens_futebol”. No caso, o banco teria armazenado na memória somente uma imagem, e ela seria devolvida para o PHP.

A essa altura, você já deve estar se perguntando: tenho que aprender tudo isso? E a resposta é sim! Tudo isso, e muito mais. Mas, como já foi dito antes, você deve aprender a programar primeiro. Aprendendo a programar (a chamada lógica de programação), é possível fazer qualquer página de Internet.

Gosta do Blogger? Alguém do Blogger já quebrou muito a cabeça pra fazer o seu Blog aparecer redondinho na Internet. Se você quiser fazer o mesmo, da sua maneira, é só aprender a programar.

Como ganhar dinheiro postando na Internet

Você já deve ter visto por aí histórias de pessoas que começaram a ganhar dinheiro na Internet. Os casos mais comuns são aqueles onde a pessoa tem um blog, ou um site qualquer, e conforme sua audiência vai aumentando, os ganhos aumentam na mesma proporção.

Mas de onde vem o dinheiro? Ou ainda, quem é que paga pra esse povo ficar postando?

Bom, para responder essa pergunta, é bom entender como funciona a propaganda na Internet. Em especial, entender como funciona o Google Adsense, o programa mais utilizado por blogueiros em geral.

Ao acessarmos uma página, é bem provável que em algum canto, exista um banner, uma propaganda veiculada pelo Google. Normalmente essas propagandas têm links, que te redirecionam para sites externos.

Isso acontece porque o dono do site optou por colocar a propaganda do Google em seu site. Ele é um editor, e usa o Google Adsense para monetizar seu site. Guarde bem essa palavra: monetizar. Grosso modo, gerar money.

Se colocarmos as propagandas do Google em nosso site, toda vez que alguém clicar em algum dos links, nós iremos ganhar uma comissão. Normalmente são centavos… mas de tostão em tostão, a galinha enche o papo, como diz o ditado.

Ao juntarmos determinada quantia com esses cliques, o Google nos paga. Simples assim.

No momento, você deve estar se perguntando… mas de onde o Google tira dinheiro para nos pagar? A resposta é simples: os donos daqueles sites que aparecem nas propagandas é que pagam para o Google. Eles competem entre si, para que seus anúncios apareçam justamente em nossos sites. Pagam por “palavras-chave”. E se nosso site tem a ver com essa palavra-chave, e se o cara pagou mais caro do que seu concorrente… é o seu anúncio que irá aparecer.

Perceba que o Google ganha com os anunciantes, e nós, blogueiros, ganhamos anunciando.

Para que possamos ganhar muito, é necessário que nosso site, ou blog, exiba milhares de vezes os anúncios. Isso requer uma audiência muito grande. Temos que ter muitos acessos, muitas visitas, para que com os centavinhos juntemos alguns dólares.

Determinados cliques rendem mais centavos que outros. Isso é chamado de nicho. Por exemplo, seu site é de um nicho específico, seu site fala sobre um assunto específico. Se o seu site fala mais sobre culinária, os anúncios que mais irão aparecer serão sobre culinária. Se não fosse assim, ninguém clicaria. E o Google sabe bem disso… tanto é que os anúncios são direcionados. Contextuais.

Os anunciantes de culinária tem mais ou menos dinheiro que os anunciantes de iates milionários? Vamos supor que os anunciantes de iates milionários tenham mais dinheiro… então cada clique em um anúncio de iate milionário vale mais do que o clique de um anúncio de culinária. Isso porque anunciantes de iates, por exemplo, competem entre si para que seus anúncios apareçam mais em sites sobre iates… e para vencer a competição, devem pagar mais por palavras-chave relacionadas a iate.

Conclusão: valeria mais fazer um site sobre iates, pois os cliques rendem mais.

Evidentemente, de nada adianta fazer um site sobre iates se ninguém os acessa. Se o site de culinária tem milhões de receitas inéditas, se o site é referência no assunto, se o site tem uma audiência absurda, mesmo com os centavinhos dos anúncios é possível fazer uma grana absurda… bem melhor do que o site fraquinho sobre iates, que ninguém clica.

Perceba que são vários fatores que influenciam no rendimento. Visitas, cliques, palavras-chave… não é tão simples ficar rico na Internet postando em blogs.

Um bom blog depende de vários fatores. Além do nicho, do assunto específico de seu site (leia mais sobre isso no livro Cauda Longa), é importante que seu blog tenha conteúdo relevante. Por relevante, entenda como inédito, exclusivo, pertinente. Nada de cópias, traduções, citações.

Isso é importante porque o Google é o manda-chuva. Todo blogueiro depende do Google, e o Google não gosta de ser enrolado. Quem faz uma busca, normalmente o faz no Google. E o Google é que nos traz visitantes. É através dele que conseguimos visitantes. E é ele quem devemos agradar.

Para que o Google goste de nosso site, temos outros milhares de tópicos, dicas, consensos, dicas a serem seguidas. Nosso site deve ser otimizado para os mecanismos de busca (SEO, ou Search Engine Optimization). E isso não é fácil.

Faça uma busca no Google sobre qualquer assunto. Qual site será o primeiro no topo? Será esse o site que você irá visitar? Você gostaria que esse site fosse o seu?

Não é fácil chegar ao topo. Tanto é que muitas pessoas pagam para estar no topo. Você se lembra do pessoal de iate que competiam entre si? Pois faça uma pesquisa sobre iates no Google. Você irá perceber que existem regiões específicas na página de resultados do Google onde sites sobre iates aparecem com destaque. São os links patrocinados… ou melhor dizendo, são sites que pagaram para aparecer no topo. Isso traz retorno para os anunciantes.

No meu site de variedades, por exemplo, não são exibidos links patrocinados. Isso só acontece no Google. No entanto, os sites sobre iates que aparecem nas propagandas em meu site disputam arduamente para lá aparecerem. É um verdadeiro leilão. Um dia, o anunciante piorzinho, ou mais pobrezinho, irá aparecer. Todos têm seu lugar ao sol. Mas isso custa caro.

Mais tarde continuo sobre o assunto. Estou cansado.

O melhor Fotolog

Conheço os Fotolog’s desde os tempos mais remotos. O precursor foi o próprio Fotolog.net, que acabou fazendo parceria com o ig no Brasil. O Fotolog é velho hein…

Muitos outros surgiram desde então. Basicamente, eles mostram fotos dos usuários, que podem postar todos os dias. Normalmente, há um limite de fotos por dia. O mesmo para os comentários feitos nas fotos.

O recurso que permitiu a popularização dos Flog’s foi o compartilhamento através dos “favoritos”. O usuário adicionava como favorito os Flog’s que ele encontrasse por aí. Eis que surge a idéia de rede… o embrião das redes sociais.

Hoje em dia, o que difere um Flog de outro ainda são os recursos. E um dos Flog’s mais interessantes é o ZipFlog (http://www.zipflog.com).

Além dos recursos tradicionais, de postar fotos, adicionar favoritos, postar comentários, o ZipFlog permite que as fotos recebam notas. Isso estimula os usuários a postarem fotos realmente interessantes.

Outro recurso interessante é a personalização dos layouts. Ao invés de só mudar as cores ou o plano de fundo, o ZipFlog permite mudar a estrutura da página. Inverter a posição das colunas, postar imagens de fundo mescladas com cores alternadas, colocar ou não imagem no topo (banner), e muito mais.

Mais interessante ainda é a possibilidade de editar as fotos que forem enviadas. Você pode clarear a foto, ou colocar moldura, por exemplo. Quer aplicar um efeito envelhecido na foto? Ou recortá-la, e deixar só o que interessa nela?

ZipFlog ainda se destaca por não oferecer assinatura. É totalmente grátis, sem privilegiar esse ou aquele usuário. É a liberdade de fato, a popularidade para quem merece mesmo.

Faça uma visita! ZipFlog.com

Comprar produtos da China?

Sabe aquela barraquinha de esquina, onde você encontra um monte de bugigangas? É luz que acende, rádio que toca, brinquedo que anda, fala, canetas de todo o tipo… aquela porcariada desgraçada que custa menos de R$ 1,00? Sabe?

Então. Se você gosta de comprar esse monte de tranqueira, sabia que existe um site bem original, feito na China, que vende tudo isso, e muito mais?! É o Dealextreme.

Nesse site é possível comprar um monte de bagulheira legal. E o melhor: o frete é grátis! Isso mesmo. Você pode comprar um negócio que custa menos de R$ 1,00 (isso mesmo), e eles entregam na sua casa. De graça!

Tenho comprado um monte de quinquilharia já faz mais de ano. Tanto é que decidi abrir um blog só pra postar o que comprei. O site é o MuambadaChina.

Pago os produtos através do PayPal. Pra usar o PayPal, você tem que ter um cartão de crédito internacional. Se você não tem, dá um jeito e arruma um. Vale a pena!

Só pra vocês terem uma idéia, vou contar um caso acontecido. Comprei um cartão de memória baratinho, mas ele veio com defeito. Pedi um ressarcimento. E adivinha o que eles fizeram? Me mandaram um cartão novo. Dá pra acreditar?