Como Pode?

Icon

Você já se fez essa pergunta hoje?

Impressionante

Motociclista utilizando os mesmos conceitos da física utilizados no Globo da Morte.

As maiores e mais violentas voadoras do futebol

A voadora é um golpe dado com os pés. É um chute muito forte, dado no ar, normalmente com uma perna esticada (a que bate), e a outra dobrada.

Uma das mais famosas voadoras é a do lutador Liu Kang, do jogo Mortal Kombat 2.

Outra voadora famosa foi aquela dada por Lindomar

No futebol, muitos jogadores inspirados conseguiram aplicar o mesmo golpe com maestria. Segue abaixo algumas das voadoras mais violentas já aplicadas:

Neneca, goleiro do Bragantino

Nuno Claro, goleiro

Gustavo, goleiro do Sport Recife

Zagueiro Sergio Jáuregui, do Blooming

Não sei o nome do cara, mas essa foi forte também

Atacante Gaston Cellerino, do Union La Calera

O primeiro homem a saltar da estratosfera

O austríaco Felix Baumgartner, acaba de se tornar o primeiro homem a pular, de pára-quedas, da estratosfera, e a atingir a velocidade do som.

Estratosfera é segunda camada da atmosfera. Fica em torno dos 7/17 km até os 50 km de altura. É a região onde os jatos circulam, por ser uma região estável em relação aos ventos.

Felix atingiu aproximadamente a altura de 36.576 metros. Seu salto havia sido adiado, pois os ventos estavam muito fortes pela manhã.

O balão utilizado para a façanha tinha o tamanho de um prédio de 50 andares. Cheio de hélio, o tecido do qual o balão era feito tinha a espessura de sacolas plásticas de supermercado (mas com resistência muito maior).

Salto da estratosfera

Salto da estratosfera

Interessante notar que a velocidade do som foi atingida na estratosfera. Isso porque, ao entrar na atmosfera, em torno dos 16.000 metros, a resistência do ar diminui de forma imediata a velocidade do salto.

A cápsula utilizada no salto tem em torno de 3 metros por 2 metros. O salto foi planejado há cinco anos. Desde então, Felix vem se preparando com a ajuda de médicos e especialistas. Seu salto, bem sucedido, foi o primeiro da história.

Seu traje, pressurizado, protege com a pressão externa elevada e contra o frio. Tal roupa foi necessária pois, nos primeiros 5 minutos, Felix caiu 35 km em queda livre.

Comer insetos é para os fracos.

Na China, é comum as pessoas comerem insetos. Você encontra espetinhos de gafanhoto, espetinhos de grilos, etc etc. Isso pode soar um pouco estranho para os ocidentais, onde um bife mal passado já é motivo de discórdia.

No entanto, em outros países não muito distantes, as pessoas comem coisas um pouco mais frescas. No Vietnã, por exemplo, é possível experimentar o coração de cobra. E o coração ainda bate.

Se você o coração pequeno, pode tentar algo um pouco maior. Coração de sapo.

Se você não se impressionou com a refeição, arrisque comer um polvo fresco então.

Ou então, o bicho ainda vivo.

Dança erótica

Como o robô Curiosity chegou em Marte

Robô Curiosity

Robô Curiosity

A distância da Terra até Marte, o planeta vermelho, é algo em torno de 60 milhões de quilômetros. É uma distância razoável.

Só para se ter uma idéia, vamos fazer uma conta rápida: um carro, a 100 km/h, demoraria quanto tempo para chegar até Marte, estando Terra e Marte na menor distância? Ora, 60.000.000/100 = 600.000 horas. Que equivalem a 25.000 dias. Que equivalem a 68 anos.

Evidentemente, a melhor hora para se planejar uma viagem da Terra até Marte é quando a distância é a menor possível. E foi em 26 de novembro de 2011, de Cabo Canaveral (sim, o mesmo do desenho do Pica Pau), que partiu o robô Curiosity (Curiosidade), rumo à cratera de Gale. Como parte do experimento MSL (Mars Science Laboratory), o robô movido a plutônio teve uma longa viagem pela frente.

Curiosity

Curiosity

Imagine a seguinte situação: você compra um carrinho de controle remoto, e coloca uma câmera digital nele. Coloque também um netbook, um GPS, um celular. Junte tudo, e coloque numa caixa. Se quiser, enfie um Armatron e um Alquimia. Lacre bem.

Armatron

Armatron

Alquimia

Alquimia

Tente mandar essa caixa em um foguete para Marte. Como o robô chegou no dia 6 de agosto de 2012, a viagem até que foi rápida. Muito antes dos 68 anos esperados, caso estivéssemos a 100 km/h. A duração da viagem foi de apenas 8 meses e 10 dias, o que significa que a velocidade média do foguete foi de 10.000 km/h. Tente mandar sua caixa, nessa velocidade, até Marte.

Se você está considerando essa tarefa complicada, que tal começar a se preocupar com a aterrissagem da caixa no planeta vermelho? E o pior: como fazer o Armatron, o Alquimia, o Netbook e o GPS funcionarem juntos, enviando imagens para a Terra? São 60.000.000 de quilômetros, não se esqueça…

Realmente, o que os Estados Unidos, e um conglomerado de outros países fizeram, é algo fantástico. São centenas, talvez milhares de áreas do conhecimento envolvidas, para que o robô Curiosity pudesse chegar funcionando em Marte. Ao custo de 2,6 bilhões de dólares, a aterrissagem com sucesso, em uma cratera de 154 km de diâmetro, é algo absurdo.

Matematicamente falando, é como se você desse uma tacada de golfe, certeira, a uma distância de 1.500.000 km!

A principal missão do robô Curiosity em Marte é descobrir se o planeta vermelho teve vida algum dia. Isso será feito através de uma série de experimentos, compreendendo, principalmente, as seguintes linhas de estudo:

– analisar a composição do solo;
– procurar sinais, vestígios de vida;
– ver como as rochas foram decompostas;
– estudar a presença de dióxido de carbono (molécula indicadora de vida);

entre outros experimentos complexos.

Voltemos à caixa lacrada. Como o Curiosity pesa em torno de 900 kg, multiplique por 10 o peso de sua caixa lacrada. Quase to tamanho de um Fusca, considere a possibilidade de mandar uma Gaiola, equipada com algumas câmeras, e dois computadores obsoletos em 4 anos. Sim, porque somando o tempo da viagem, e a escolha dos equipamentos a serem enviados com o Curiosity, lá se foram 4 anos. Quatro anos de obsolescência.

Fazer uma Gaiola pousar não é tarefa fácil. Um simples pára-quedas não seria suficiente. Algo mais complexo, que resguardasse a integridade da Gaiola, seria fundamental. E é aí que entra um tal de escudo protetor, na base da cápsula, evitando o calor excessivo durante a entrada na órbita do planeta.

Para auxiliar na descida, a Gaiola precisaria também de foguetes propulsores, que literalmente empurrassem para cima, contra-balanceando a queda. Tais foguetes estavam presentes de várias formas.

Tão impressionante quanto a queda com o pára-quedas foi a queda/descida com os foguetes. Estabilizar uma Gaiola sem asas, apenas com foguetes, e fazer com que a descida fosse a mais suave possível, exigiu uma enormidade de cálculos, fórmulas, modelos matemáticos definitivamente inimagináveis para a maioria das pessoas.

As primeiras imagens enviadas pelo robô Curiosity foram feitas pelas câmeras de 2 MP. A resolução é baixa, se comparada às câmeras vendidas no mercado. Mas isso se deve à dificuldade de se transferir os dados. A transmissão é feita através de ondas UHF. Isso impede que a quantidade de dados seja muito grande. Algo em torno de 40 MB no máximo, por dia.

Imagens de Marte

Imagens de Marte

Ao longo dos próximos dias, novos experimentos serão colocados em prática, e novas informações, cada vez mais relevantes, serão disponibilizadas pela NASA.

Meio velho

Meio velho

Meio velho

Incrível imagem do rosto de um senhor, caminhoneiro, que tomou sol com maio frequência do lado esquerdo, durante 28 anos.

link

O que faz um avião voar

Basicamente, são quatro os conceitos físicos responsáveis pelo vôo de um avião: sustentação, arrasto, peso e tração.

A sustentação diz respeito ao formato da asa do avião, que gera uma força inversa ao peso, para cima.

O arrasto é a resistência do ar, devido ao avanço da aeronave.

O peso tem a ver com a força da gravidade, que puxa o avião e todos os corpos para baixo.

A tração é a responsável por impulsionar a aeronave para frente. E tudo que estiver atrás dela para trás.

Reflexo

Reflexo

Reflexo

Bem vindo à Terra