Como Pode?

Icon

Você já se fez essa pergunta hoje?

All work and no play makes Jack a dull boy

O Iluminado

O Iluminado

Como programar em PHP

Se você gosta de Internet e gosta de fazer sites, deve saber que o próximo passo depois de aprender a “subir” um site pronto (um blog no Blogger, por exemplo) é fazer o site desde o começo, do zero mesmo. Programar o site.

Sites nada mais são do que arquivos de computador inteligentes, que fazem o que mandamos. Não é só um arquivo de texto, com aquela sua historinha. É uma sequência de comandos, que são obedecidos pelo computador onde ele está gravado, e que faz tudo aquilo que você mandar. É o chamado algoritmo, em linguagem de computação.

Um algoritmo é lido pelo computador, o chamado servidor. No servidor, todos os comandos são lidos e obedecidos. Por exemplo, seu algoritmo pode mandar exibir uma imagem, e logo embaixo colocar um texto em itálico. Seu algoritmo, seu programa para mostrar o site, obedece e faz o que você manda.

A forma como o nosso computador exibe o algoritmo é baseado na linguagem HTML. É através do HTML que nossos navegadores (Internet Explorer, Firefox, Chrome) mostram as imagens, os textos. No nosso computador, as ordens já foram obedecidas, então temos apenas o resultado final na tela. O servidor, lá onde a página está hospedada, é que obedeceu o que o algoritmo mandava.

Um exemplo de algoritmo pode ser visto abaixo:

Abrir página da Internet
Buscar Imagem de um Jogo de Futebol nos arquivos
Exibir a Imagem de um Jogo de Futebol
Exibir um texto em itálico sobre a Imagem de um Jogo de Futebol
Terminar de exibir página da Internet

Perceba que, no servidor, a página da Internet é carregada de acordo com o que o algoritmo manda. Isso é feito porque o servidor, um computador bastante robusto, entende as ordens que são escritas em uma linguagem de programação. Entendendo a linguagem de programação, ele imprime a página.

A página que chega nos nossos computadores vem em um arquivo texto codificado em HTML. O arquivo, a grosso modo, é como aparece logo abaixo:

< HTML >
< IMG SRC=foto_jogo_de_futebol.jpg >
< i >Um jogo de futebol tem dois tempos de 45 minutos< /i>
< /HTML >

Repare que o algoritmo que mostramos anteriormente e a página HTML são parecidas. As letras HTML, as TAGS, definem a forma como a página é exibida. No caso acima, HTML abre a página, IMG exibe foto, e “i” minúsculo manda escrever em itálico.

E eis que a página com a imagem sobre futebol e texto em itálico aparece na nossa tela.

Evidentemente, o servidor, o computador robusto do outro lado, não entende as ordens “Abrir página da Internet” ou “Buscar Imagem de um Jogo de Futebol nos arquivos”. Ele ainda não é tão inteligente a ponto de entender nossas ordens em português. Por isso, o servidor utiliza uma linguagem intermediária, chamada de PHP. É através do PHP que o algoritmo é transformado em HTML.

PHP é uma das milhares de linguagens de programação existentes por aí. Você já deve ter ouvido falar de Java, C, Python. São linguagens de programação. No nosso caso, utilizamos o PHP, por n motivos. Mas você pode escolher a linguagem que você quiser.

Aprender uma linguagem de programação não é fácil. É como aprender um novo idioma. Mas, mais difícil do que aprender uma linguagem de programação, é aprender a programar. Saber programar, ou saber a fazer algoritmos, é o que diferencia os programadores uns dos outros. Bons programadores aprendem os detalhes da linguagem, e pronto. Maus programadores, além de não saberem programar, ainda tem que aprender os detalher da linguagem. Trabalho nada fácil.

Um programa em PHP dá ordens para o servidor. Um exemplo de página escrita em PHP pode ser vista abaixo:

< HTML >
“;
}
echo “< i >Um jogo de futebol tem dois tempos de 45 minutos< /i >“;
?>
< /HTML >

Perceba que a página HTML está meio embutida no programa em PHP. Isso porque o PHP dá as ordens para criar a página em HTML. O PHP, na verdade, faz tudo o que o HTML não faria. No caso acima, ele busca uma imagem de futebol em um banco de dados e manda exibir. Isso o HTML não faz.

Repare que o PHP utiliza vários recursos para auxiliar na criação da página HTML. Precisamos de um banco de dados para procurar imagens. Isso é feito através do MYSQL, um banco de dados que armazena dados. No caso, imagens_futebol. PHP pede ao banco de dados que retorne informações sobre determinada imagem:

SELECT * FROM imagens_futebol WHERE 1

Acima está escrito, em linguagem de banco de dados (uma outra linguagem), para “selecionar todos os dados do banco de dados imagens_futebol”. No caso, o banco teria armazenado na memória somente uma imagem, e ela seria devolvida para o PHP.

A essa altura, você já deve estar se perguntando: tenho que aprender tudo isso? E a resposta é sim! Tudo isso, e muito mais. Mas, como já foi dito antes, você deve aprender a programar primeiro. Aprendendo a programar (a chamada lógica de programação), é possível fazer qualquer página de Internet.

Gosta do Blogger? Alguém do Blogger já quebrou muito a cabeça pra fazer o seu Blog aparecer redondinho na Internet. Se você quiser fazer o mesmo, da sua maneira, é só aprender a programar.

Nova geração de jogadores de Wii

Se você se achava o tal quando jogava aqueles fliperamas de dança…

Boneco do Pocoyo

Toda noite lá pelas 23:00 h, no canal Discovery Kids, passa um dos desenhos que minha filha mais adora. É o Pocoyo.

Pocoyo

Pocoyo

Pocoyo para quem não conhece é um menininho bem simpático, que usa uma roupa e um gorro/chapéu azul. Ele deve ter seus 3 ou 4 anos, e é bastante curioso.

As historinhas são bem simples. Pocoyo brincando com seus amiguinhos, Pocoyo aprendendo sobre como ser educado, a não fazer coisas erradas, etc. É bem voltado para crianças pequenas mesmo.

Um dos amiguinhos do Pocoyo é o Pato. Seu nome é Pato mesmo. Amarelo, ele usa um chapéu verde. O Pato é mais espertinho que o Pocoyo, tem um jeito meio malandro de ser. Pocoyo e Pato são grandes amigos.

Pato, amigo do Pocoyo

Pato, amigo do Pocoyo

Uma outra amiga do Pocoyo é a elefante Elly. Ela é grande, rosa, e um pouco inocente também. Vez ou outra, a Elly dá uma de mediadora entre o Pocoyo e o Pato.

Elly, amiga do Pocoyo

Elly, amiga do Pocoyo

As histórias são quase sempre em cenários vazios. Só aparece o necessário, como os brinquedos, plantas, ou o que quer que faça parte do enredo. Simplicidade é tudo.

Outros personagens também aparecem. Temos o cachorrinho Loula e o passarinho Paparoto. Tem também uma minhoca amarela que aparece de vez em quando. Os nomes desses personagens são meio estranhos, nem sei se escrevi certo hehe.

Alguns episódios são famosos, como o Pocoyo Dance, Blocos Musicais e Super Pocoyo. As histórias são bem contadas, muitas vezes por um narrador de fora, que interage com os personagens.

Pocoyo e Pato dançando são um caso à parte. Eles têm suas dancinhas características, inconfundíveis. O Pato é um exímio dançarino.

Minha filha tem um boneco de pelúcia do Pocoyo que ela ganhou de presente. da madrinha. É igualzinho ao do desenho, já que Pocoyo é 3D, todo feito em computação gráfica. Se não me engano, a marca é Long Jump, caríssia por sinal. Minha filha tem ainda o computador do Pocoyo, que vem em inglês e português, com muitas brincadeiras de adivinhação e memorização. Esse também custa o olho da cara, mas vale a pena.

Se seu filho gosta do Pocoyo, saiba que no Youtube existem milhares de episódios. No eMule tem outra pancada de episódios. E se você procurar os torrents, vai encontrar temporadas completas em espanhol e em inglês. Como as histórias são universais, dá pra baixar e assistir tranquilamente.

Passear no bairro oriental da Liberdade

Se você for a São Paulo algum dia, vale a pena dar um pulinho no bairro oriental da Liberdade, no centro. Fica ao lado da Praça da Sé.

Bairro da Liberdade

Bairro da Liberdade

Conhecido por ser um bairro de imigrantes, o bairro da Liberdade, ou Liba como também é conhecido, tem várias lojas e restaurantes típicos. Descendentes de japoneses, chineses e coreanos estão por toda parte. As ruas são decoradas com lanternas japonesas, e quem por lá passeia, se sente como se estivesse em outro país.

É interessante como muitas lojas e seus banners/letreiros exibem letras de alfabetos orientais. Os kanjis, letras japonesas, por exemplo, estão por toda a parte. Até um imenso arco vermelho, na rua Galvão Bueno, dá as boas vindas aos visitantes.

Letreiros Liberdade

Letreiros Liberdade

Lojas existem aos montes. Em sua maioria, são lojas de bugigangas importadas. Tudo o que você imaginar você vai encontrar por lá. Vindos diretamente do Japão e da China, os importados têm seus preços e preços. Tudo é questão de garimpar.

Loja Liberdade

Loja Liberdade

Os restaurantes são um caso à parte. As comidas típicas chinesas e japonesas dominam a região. Se você gosta de sushi, sashimi, sukiyaki, doces de feijão, verduras e legumes de todos os tipos, vai adorar. Produtos frescos, importados, caros e baratos, tem de tudo lá.

Sushis

Sushis

Yakisoba

Yakisoba

Caso você resolva ir nos finais de semana, em especial no domingo, a coisa ferve de vez. A famosa feirinha da Liberdade tem um monte de barracas, com pratos que vão desde o yakisoba à tapioca (sim, existem outras barracas diversas por lá). A feirinha tem também suas barracas de artesanato, com um sem número de produtos interessantes.

Barraquinha Liberdade

Barraquinha Liberdade

O jeito mais fácil de se chegar no bairro da Liberdade é descendo na estação Liberdade do metrô. É uma estação depois da estação Sé. Dá até pra ir a pé, se você resolver passar pela Sé primeiro.

Tenho o costume de comer em dois restaurantes não muito caros. O primeiro é o Bento House, logo em frente à estação Liberdade, do lado da igreja dos enforcados. É um restaurante self-service ou a la carte. A comida é ótima, os sushis são frescos, o yakisoba é suculento, o atendimento é rápido e os funcionários são muito simpáticos. Recomendo, para mais de 2 pessoas, pedir a la carte. Peça um belo de um yakisoba, e encha uns pratos no self-service com os sushis e algumas frituras. Você vai se esbaldar.

Outro restaurante muito bom, mas mais informal, é o Nandemoya. Fica numa travessa da Galvão, a Américo de Campos. É um restaurante enorme, com uma variedade um pouco maior que o Bento House. É um pouquinho mais caro, mas vale cada centavo também. Gosto de ir lá e fazer um prato bem mistureba mesmo, pegando de tudo um pouco pra não passar vontade de nada.

Caso você queira comprar as comidas importadas, como produtos japoneses (chás, doces, balas, biscoitos, etc), são duas as lojas principais: Marukai, e um outra loja, quase ao lado dela. Infelizmente, esqueci o nome, mas são lojas muito parecidas. Vendem de tudo relacionado a alimentos. Desde tofu, guioza, macarrões diversos, bebidas (sake, cervejas), temperos e condimentos (shoyu, wasabi, etc) até doces (doces de feijão, manjus, yokans, etc), balas, furikakes, tofus…

Conheço pouco da culinária chinesa e coreana, mas sei que existem vários restaurantes também. O último que eu fui, me esbaldei. Mas como os funcionários vieram dos seus países de origem mesmo, a abordagem deles aos clientes é um pouco diferente do que estamos acostumados. Por instantes, achei que eu tinha sido tratado com um pouco de arrogância… mas daí percebi que é o jeito deles mesmo.

Quer produtos de papelaria? As meninas costumam pirar nas lojas de lá. Você entrar rico na galeria SoHo, que concentrar várias lojinhas de importados, e sair bem pobre, de tanto gastar. Lapiseiras de todos os tipos (Pentel), grafites coloridos, canetinhas fosforecentes, papéis para origami, bolas e mochilas temáticas (Naruto, Pucca, Hello Kitty), brinquedos, animes (bonecos de animes, animes em DVD, camisetas de animes, fantasias de animes / cosplay)… isso sem falar nos eletrônicos (não são muitos, mas também estão à venda por lá).

Finalmente, você mulher, feminina, vaidosa, vai adorar conhecer as lojas Ikesaki. Sim, são duas lojas, a menos de 100 metros uma da outra. São um verdadeiro paraíso dos cosméticos, com 4 andares se não me engano. Milhares de mulheres de toda São Paulo vão até lá fazer as suas compras, seja para uso pessoal, seja para revenda. É um inferno organizado de shampoo, sabonetes, cremes, produtos para cabelereiros, etc etc etc.

Ikesaki Liberdade

Ikesaki Liberdade

Ikesaki

Ikesaki

Quer passar um dia de muitas compras e boa comida? Vá até o bairro da Liberdade.

Angry Birds. Como fiquei viciado nesse jogo.

Já faz um bom tempo que não fico viciado em um jogo de video-game. O último que fiquei mais tempo foi Call of Duty 4, na versão para computador. Mas já faz umas 3 semanas que não jogo…

Tive sérios problemas, no entanto, com um joguinho muito interessante para o Iphone. É o super famoso Angry Birds, da Rovio, empresa de desenvolvimento de jogos.

O jogo é muito simples demais, e a idéia é genial. Passarinhos contra porcos verdes, comedores de ovos. Os passarinhos suicidas, verdadeiros Kamikazes, se matam para acabar com os porquinhos malvados.

O esquema é sempre o mesmo. Os passarinhos, do lado esquerdo da tela, são arremessados com a ajuda de um estilingue em direção aos porcos, que estão empilhados em toras de madeira, pedras, tijolos, morros, etc. Num movimento balístico (lembra-se das aulas de física?), o jogador tem que acertar o ângulo e a força certa do arremesso, para que, com a pancada do passarinho, ele consiga ir eliminando os porcos verdes.

São centenas de fases. Eu já cheguei no terceiro “episódio”, sendo que cada episódio tem umas 30 fases. Para cada fase, você ganha um certo número de estrelinhas. Quanto mais eficiente você for, quanto menos passarinhos forem necessários para matar os porquinhos, mais estrelinhas você irá ganhar.

Agora imagine: centenas de fases, e vários níveis de performance. Até que você consiga ser “perfect”, vai demorar uma eternidade…

Viciante. Arremessar passarinhos amarelos, que caem como mísseis, ou passarinhos azuis, que explodem e se dividem em 3 outros passarinhos… ou passarinhos bumerangues, que voltam, literalmente… criatividade nota 10 para a Rovio.

Se você tem Iphone, ou se você tem um navegador Chrome, é só baixar e instalar. Outros sistemas se não me engano também têm o joguinho. É só pesquisar por aí que você irá encontrar!

Orgia ao telefone

E você pensava que já tinha visto de tudo sobre tele-sex…

Orgia telefônica

Orgia telefônica

Troféu joinha pro jetpack

Sabe aquele negócio que você coloca nas costas pra sair voando, igual ao Super Homem? Você já deve ter visto na TV. O nome do negócio é jetpack.

Pois bem… um dia você pode fazer uma demonstração de como um jetpack funciona. Pode fazer isso ao vivo num programa de TV. Só tenha a certeza de que o jetpack funciona…

O importante é andar na faixa de pedestres

Quão civilizado você é? Você reclama do trânsito, mas não consegue atravessar na faixa de pedestres? Prefere cortar a rodovia ao invés de passar pela passarela?

Tudo é questão de responsabilidade. Atravessar a rua, só na faixa de pedestres.

Como fazer embaixadinhas

Então você vai jogar aquele futebolzinho de fim de semana, e antes de começar, você resolve fazer umas embaixadinhas. Consegue fazer quatro, cinco… parabéns pra você campeão.