Archive for August, 2011

Como fazer mágicas

Posted in Impressionante, Vídeos on August 26th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Quando eu era pequeno, ia muito no Shpping Center Norte. Lá tinha uma lojinha onde eram vendidos alguns kits de mágica. Sim, kits para crianças, que ensinam alguns truques bem básicos de mágica, para crianças mesmo.

Lembro de cabeça alguns deles. E vou contar o segredos deles. Eu paguei caro na época, e hoje a Internet nos dá tudo de graça… não vai ser um post no meu site que vai acabar com a indústria de mágicas.

Um dos mais fáceis era o truque de sumir com um lenço na palma das mãos. Na verdade, não era bem um lenço… mas um pedaço de renda, bem fininho. Você fazia um copinho com a mão fechada, colocava o lenço amassado dentro… e ele sumia.

Bom, a mágica estava num dedão falso, de plástico. Ele fica por cima de nosso dedão de verdade, mal dava pra perceber. Era só colocar o falso dedão em formato e copinho dentro da mão fechada… jogar o lenço dentro, e voltar o dedo falso pra cima do dedão. Pronto.

Outro truque interessante eram o das bolinhas que se multiplicavam. Você estava com uma bolinha na mão, e de repente viravam duas. E viravam três. E sumia uma, e voltava, e sumiam todas…

O segredo estava numa falsa metade de bolinha, que se encaixava em uma bolinha verdadeira. Com dedos ágeis, era fácil fazer ela aparecer e sumir. O complemento do truque, pra fazer outras bolinhas aparecerem e sumirem, era pura prática na manipulação da casquinha e das bolinhas.

Finalmente, a mágica de fazer sumir a moeda. Esse era o mais fácil, era pura prática na manipulação da moeda, e cola bastão… ou fita dupla-face…

Bom, pra finalizar, uma nova mágica com moedas… essa eu ainda não descobri como o cara fez:

Por que fazer a barba?

Posted in Natureza on August 19th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Quem é homem sabe que, todas as manhãs, ou na noite anterior, o ritual é sempre o mesmo: passar o creme de barbear (ou o sabonete mesmo), olhar pro espelho (ou não, para os mais práticos), e raspar a barba e o bigode com o aparelho de barbear.

Todos os dias/noites.

Muitos se perguntam o porque desse ritual, e poucos têm uma resposta convincente. Eu mesmo não lembro de nenhuma resposta que prestasse. E também não sei porque tenho que fazer essa coisa todas as noites (prefiro fazer no banho, à noite).

Gosto de pensar que faço a barba pelo mesmo motivo que tomo banho. Tiro a sujeira, as células mortas. Me incomoda a barba por fazer, e é bom raspar ela fora. Uso um gel refrescante, capricho no barbear, e sinto o frescor refrescante. E só.

Fato é que, esteticamente, tem gosto pra tudo. Como não me vejo de barba, não sei dizer se ela é parâmetro para alguma coisa, tanto socialmente quanto no campo amoroso. Uns dizem que ter barba deixa a pessoa mais imponente, sei lá. Mulheres gostam de homens com barba por fazer, aquele ar cafajeste. Tem gosto pra tudo.

Nunca fiz a barba na barbearia. Me recuso a pagar R$ 10,00 pro barbeiro (e não cabelereiro) melecar meu rosto com a espuma, e passar uma navalha afiada em mim… sendo que depois de umas 4 hs, já sinto a barba no rosto novamente.

É pra sentir o rosto lisinho? Que seja no banho… já faz uma lavagem completa. Barba, cabelo e bigode, como dizem… e o corpo inteiro de uma vez.

Enquanto isso, no programa de TV…

Posted in Engraçado, Imagens, Vídeos on August 13th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Se você gosta de programas televisivos, aqueles onde pessoas comuns são submetidas a situações inusitadas…

Balão

Balão

Temos também as versões ao ar livre…

Desgosto.

Posted in Imagens, Impressionante, Pessoas on August 13th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Pra quem acompanha os distúrbios na Inglaterra, país civilizado, primeiro mundo, imagine a seguinte cena: um barbeiro, de 89 anos, mas barbeiro de profissão mesmo, de um país civilizado… chegando em sua barbearia. Destruída.

Barbeiro desgostoso com a vida

Barbeiro desgostoso com a vida

Só errou na propaganda

Posted in Engraçado, Imagens on August 13th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Propaganda da Nokia, fabricante de celulares… mas com a modelo segurando um… Iphone!

Propaganda Nokia

Propaganda Nokia

Atitude. Ou você tem, ou você não tem.

Posted in Imagens on August 13th, 2011 by Administrador – Be the first to comment
Atitude

Atitude

Quem fala o que não deve, escuta o que não quer

Posted in Engraçado, Vídeos on August 11th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Acho que era esse o ditado. Mas tem também uma outra versão…. aquele que diz que temos uma boca e dois ouvidos… por algum motivo

Brinquedos infláveis para festas infantis

Posted in Notícias, Oportunidades on August 9th, 2011 by Administrador – 1 Comment

Se você algum dia precisar alugar brinquedos para uma festa infantil, saiba que os preços não são altos. Basta encontrar uma boa empresa de locação de brinquedos.

Geralmente, os brinquedos que vêm na cabeça em primeiro lugar são a cama-elástica e a piscina de bolinhas, tidos como clássicos em festinhas. Se você nunca viu, veja como eles são:

Cama elástica

Cama elástica

Piscina de bolinhas

Piscina de bolinhas

O aluguel desses brinquedos é muito barato. Normalmente, você aluga por evento, por festa. Como se fosse uma diária. É bom lembrar que algumas empresas alugam o brinquedo e mandam também um monitor, alguém que ficará responsável pela segurança das crianças no brinquedo. O preço fica em torno de R$ 150,00.

Outros brinquedos mais sofisticados também podem ser alugados. Por exemplo, você pode alugar um pula-pula, e um mini pula-pula, para as crianças menores. Ambos infláveis, são garantia de muita diversão.

Pula Pula

Pula Pula

Mini Pula Pula

Mini Pula Pula

Normalmente os brinquedos infláveis pedem algum tipo de instalação elétrica próxima que dê conta do recado. Isso normalmente é problema da empresa de locação. Eles levam um eletricista, ou os próprios funcionários já sabem o que fazer. Como os brinquedos infláveis precisam de uma bomba de ar que os encham, fique atento. Pense em um local adequado antes de procurar a empresa de brinquedos.

Existem muitos tipos de brinquedos e faixa de preço. Festas maiores, como festas de empresas, por exemplo, podem pedir um “Futebol de Sabão”, para várias pesssoas. Nesse brinquedos, várias pessoas jogam bola em uma pista molhada e ensaboada. Como é de se imaginar, o pessoal cai várias vezes… mas é bem divertido. Festas de adolescentes, de formatura, são garantia de muita diversão, principalmente se tiver uma piscina perto.

Futebol de Sabão

Futebol de Sabão

Se a festa for uma festa para arrecadar dinheiro, por exemplo, você pode tentar também alugar um brinquedo, e vender ingressos para quem quiser brincar. Se a festa tiver muita gente, você pode até ter algum lucro. Por exemplo, um brinquedo muito legal, e caro (você pode cobrar R$ 5,00 a R$ 10,00 tranquilamente) é a Bolona Gigante, ou Bolão Gigante. Nesse brinquedo, a pessoa entra dentro de uma bola inflável, e é atirada ladeira abaixo (no caso, uma rampa do próprio brinquedo). É diversão na certa!

Bolão Gigante

Bolão Gigante

Lembre-se: o sucesso de sua festa com esses brinquedos depende de uma boa empresa que alugue bons brinquedos. Uma boa empresa é a Tio Palito, do interior de São Paulo (http://www.tiopalito.com.br). Com clientes famosos, como empresas de grande porte, prefeituras, e até o Caldeirão do Huck, a empresa é uma das mais recomendadas. Procure referências, e entre em contato, se você tiver interesse em fazer uma festa bem legal.

O pastel da feira

Posted in Imagens, Notícias, Vídeos on August 7th, 2011 by Administrador – Be the first to comment

Todos os domingos, pela manhã, tento ir à feira comer um bom pastel. E não sou o único, já que as barracas vivem lotadas. E quem não gosta?

Comer pastel na feira é uma tradição em muitas cidades. Ponto de encontro para colocar a conversa em dia, dividir um bom pastel de carne, de queijo, com um copo de caldo de cana (ou garapa, ou guarapa), é muito bom. Ambiente agradável, preço bom, comer pastel com certeza é o programa ideal pra aproveitar uma bela manhã de domingo.

Na minha cidade, um pastel custa em torno de R$ 2,00. Lá vende também alguns pastéis mais sofisticados, com ovo, por exemplo, e que custam R$ 4,00. Como prefiro tomar uma refrigerante junto, de preferência a famosa Caçulinha (guaraná), com R$ 10,00 já fico feliz. Dois ou três pastéis, duas Caçulinhas, e pronto.

Muitos falam dos problemas relacionados ao pastel. Comida frita, gordurosa, realmente ele não é a melhor opção para quem se preocupa com a saúde. Frito no óleo, um pastel de carne, por exemplo, tem 155 calorias. Um pastel de queijo já é mais calórico: 243 calorias. Para quem não sabe, além das calorias, a gordura, o óleo utilizado na feira, acaba se tornando tóxico com a reutilização excessiva. Isso acontece porque o óleo vai perdendo seus constituintes naturais, aumentando o índice de gordura saturada, por exemplo. Ácidos graxos, liberados na utilização excessiva em frituras, são comumente utilizados como parâmetro para conferir a qualidade do óleo.

É evidente que o óleo de um pastel de fim de feira, reutilizado durante todo o dia, por exemplo, não irá matar ninguém. O problema acontece quando o mesmo óleo é reutilizado durante dias (sim, isso pode acontecer!). É aí que está o grande risco. Mas não é difícil perceber quando isso está acontecendo. Normalmente, alimentos fritos com óleo reutilizado perdem a “crocância”, ficam menos crocantes. Aparecem também algumas manchas escuras no alimento frito. Isso é sinal de que o óleo já passou do ponto. Existe até uma chamada Fita Monitor, que pode ser utilizada para ver a qualidade do óleo… mas na feira isso é bem difícil de se ver.

O ideal, bem dizer, seria um pastel assado, mas as feiras não oferecem esse tipo de pastel. E, convenhamos, é meio sem graça um pastel assim, não é mesmo?

Pastel de feira

Pastel de feira

Receita de pastel:

Ingredientes:
3 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de água morna (ou um pouco mais)
3 colheres (sopa) de óleo (de soja, milho, girassol ou algodão)
1 colher (sopa) de aguardente
1 colher (sopa) rasa de sal
Farinha de trigo para trabalhar a massa

Modo de preparo:
Coloque a farinha misturada com o sal em uma vasilha ou uma mesa e abra um buraco no meio
Nesse buraco coloque o óleo, a aguardente e um pouco de água
Misture a água e a farinha aos poucos, cada vez pegando um pouco mais de farinha da borda do buraco
Quando a massa estiver ficando dura, coloque mais água
A massa deve ficar macia
Se estiver um pouco grudenta, não tem problema
Se estiver muito grudenta, coloque mais farinha
Se estiver dura, coloque mais água
Em uma superfície enfarinhada, abra a massa com o auxílio de um rolo, de forma que ela fique bem fina
Se não ficar fina, ela não fica crocante depois de fritar
Recheie a gosto, e feche com um garfo ou com o verso de uma faca
Frite em óleo quente (não muito) em fogo médio-alto e escorra com o auxílio de uma escumadeira, antes de deixar para secar em papel absorvente
Rende 15 pastéis grandes (tamanho feira)
Você pode colocar parte da massa antes de abrir na geladeira, embalada em um plástico ou papel filme, se quiser fazer menos pastéis

Como trabalhar no Japão

Posted in Oportunidades on August 3rd, 2011 by Administrador – 1 Comment

Se você está procurando um emprego que pague melhor, que tal ir trabalhar no Japão?

Trabalhar no Japão, ou virar um dekassegui, ainda hoje é uma alternativa para os descendentes de japoneses. Com bons salários, são milhares de brasileiros que se arriscaram na Terra do Sol Nascente. Há quase 30 anos, mandando um volume considerável de dinheiro para os parentes que aqui ficaram, os dekasseguis são prova de que é possível ganhar bem fora do país.

No Japão, os empregos normalmente são nas fábricas. É o que se pode chamar de empregos “menores”, que os próprios japoneses não fazem muita questão. É o trabalho braçal, ou o trabalho repetitivo. Chão de fábrica mesmo. Mulheres também têm os chamados empregos em fábricas de alimentos (bentôs), que são mais lights.

Tais empregos costumam render bem pois oferecem as chamadas horas-extras. Horas-extras são o desejo dos dekasseguis, pois aumentam consideravelmente o salário.

Uma das formas de se ir trabalhar no Japão é procurando uma agência especializada em empregos no Japão. Existem muitas empresas no Brasil, principalmente na região de São Paulo e Paraná (maiores concentrações de descendentes). Você pode encontrar uma lista das melhores agências no site http://www.empregosnojapao.com

Quando se procura uma agência de emprego, fica mais fácil para ser alocado no Japão. Normalmente as agências têm bons contatos com as fábricas, o que já garante a alocação. É só viajar, com a certeza de emprego certo.

Tentar encontrar emprego no Japão por conta própria não é muito recomendado. A menos que você conheça alguém que já trabalhe por lá, ou que você saiba os atalhos para ser bem recebido numa fábrica, não é recomendado ir atrás dessa forma.

Falar o idioma japonês fluentemente nem sempre é necessário. Alguns empregos requerem uma certa porcentagem de fluência na língua. Em fábricas que têm muitos brasileiros, ou que um supervisor seja um brasileiro, você pode até trabalhar falando só o básico mesmo.

Uma das perguntas mais frequentes é sobre ser brasileiro, não ser descendente de japonês, e conseguir um emprego no Japão. Hoje em dia, é muito complicado conseguir ir pra lá sem ser descendente. Em outras épocas, o que se fazia era o seguinte: um homem brasileiro se casava com uma descendente de japoneses, por exemplo. Ambos poderiam ir para o Japão trabalhar, mesmo que o casamento fosse “de mentira”, “arrumado”. O brasileiro, no caso, pagava uma “mensalidade” à moça descendente de japoneses. Ela poderia voltar para o Brasil, por exemplo, e deixar o brasileiro lá.

O inverso também era comum. Mulheres brasileiras se casavam com homens descendentes… e faziam o “esquema”.

Muitas pessoas, que intermediavam esses “esquemas” de casamento, ganharam muito dinheiro. Mas como toda boa maracutaia, a casa caiu. Hoje em dia o casamento deve ser muito bem documentado, com história de vida, por exemplo, que comprove que o casamento é de verdade. Está mais difícil dar uma de esperto.

Se você está procurando um japonês ou uma japonesa para “casar” e ir para o Japão, saiba que ainda existem muitos dispostos a isso. É dinheiro fácil, pois a “mensalidade” deve ser paga direitinho… senão, com alguns poucos telefonemas, é fácil denunciar o esquema e tudo se complicar.

Pra você que é descendente de japonês (filhos e netos), ou que se casou de fato com descendentes, que tal ir para o Japão? Os salários estão altos (R$ 6.000,00 pra cima), o país é civilizado, a comunidade brasileira é grande, a assistência social é gratuita e funciona.