Como Pode?

Icon

Você já se fez essa pergunta hoje?

O pastel da feira

Todos os domingos, pela manhã, tento ir à feira comer um bom pastel. E não sou o único, já que as barracas vivem lotadas. E quem não gosta?

Comer pastel na feira é uma tradição em muitas cidades. Ponto de encontro para colocar a conversa em dia, dividir um bom pastel de carne, de queijo, com um copo de caldo de cana (ou garapa, ou guarapa), é muito bom. Ambiente agradável, preço bom, comer pastel com certeza é o programa ideal pra aproveitar uma bela manhã de domingo.

Na minha cidade, um pastel custa em torno de R$ 2,00. Lá vende também alguns pastéis mais sofisticados, com ovo, por exemplo, e que custam R$ 4,00. Como prefiro tomar uma refrigerante junto, de preferência a famosa Caçulinha (guaraná), com R$ 10,00 já fico feliz. Dois ou três pastéis, duas Caçulinhas, e pronto.

Muitos falam dos problemas relacionados ao pastel. Comida frita, gordurosa, realmente ele não é a melhor opção para quem se preocupa com a saúde. Frito no óleo, um pastel de carne, por exemplo, tem 155 calorias. Um pastel de queijo já é mais calórico: 243 calorias. Para quem não sabe, além das calorias, a gordura, o óleo utilizado na feira, acaba se tornando tóxico com a reutilização excessiva. Isso acontece porque o óleo vai perdendo seus constituintes naturais, aumentando o índice de gordura saturada, por exemplo. Ácidos graxos, liberados na utilização excessiva em frituras, são comumente utilizados como parâmetro para conferir a qualidade do óleo.

É evidente que o óleo de um pastel de fim de feira, reutilizado durante todo o dia, por exemplo, não irá matar ninguém. O problema acontece quando o mesmo óleo é reutilizado durante dias (sim, isso pode acontecer!). É aí que está o grande risco. Mas não é difícil perceber quando isso está acontecendo. Normalmente, alimentos fritos com óleo reutilizado perdem a “crocância”, ficam menos crocantes. Aparecem também algumas manchas escuras no alimento frito. Isso é sinal de que o óleo já passou do ponto. Existe até uma chamada Fita Monitor, que pode ser utilizada para ver a qualidade do óleo… mas na feira isso é bem difícil de se ver.

O ideal, bem dizer, seria um pastel assado, mas as feiras não oferecem esse tipo de pastel. E, convenhamos, é meio sem graça um pastel assim, não é mesmo?

Pastel de feira

Pastel de feira

Receita de pastel:

Ingredientes:
3 xícaras de farinha de trigo
1 xícara de água morna (ou um pouco mais)
3 colheres (sopa) de óleo (de soja, milho, girassol ou algodão)
1 colher (sopa) de aguardente
1 colher (sopa) rasa de sal
Farinha de trigo para trabalhar a massa

Modo de preparo:
Coloque a farinha misturada com o sal em uma vasilha ou uma mesa e abra um buraco no meio
Nesse buraco coloque o óleo, a aguardente e um pouco de água
Misture a água e a farinha aos poucos, cada vez pegando um pouco mais de farinha da borda do buraco
Quando a massa estiver ficando dura, coloque mais água
A massa deve ficar macia
Se estiver um pouco grudenta, não tem problema
Se estiver muito grudenta, coloque mais farinha
Se estiver dura, coloque mais água
Em uma superfície enfarinhada, abra a massa com o auxílio de um rolo, de forma que ela fique bem fina
Se não ficar fina, ela não fica crocante depois de fritar
Recheie a gosto, e feche com um garfo ou com o verso de uma faca
Frite em óleo quente (não muito) em fogo médio-alto e escorra com o auxílio de uma escumadeira, antes de deixar para secar em papel absorvente
Rende 15 pastéis grandes (tamanho feira)
Você pode colocar parte da massa antes de abrir na geladeira, embalada em um plástico ou papel filme, se quiser fazer menos pastéis

Category: Imagens, Notícias, Vídeos

Tagged:

Leave a Reply